quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Praça São Salvador: duas épocas, duas mentalidades.

As afinidades existentes entre formas, sabores e sons, de um lado, e estados de alma, de outro lado, são realidades inegáveis. Assim, um objeto ou conjunto de objetos, pode despertar no homem determinado estado de espírito. Ambiente é, pois, tal estado de espírito enquanto sugerido pelos objetos. Neste sentido, o ambiente pode ser suscitado por uma música, um móvel, uma sala, um edifício, uma praça, uma cidade ou um panorama. Uma pessoa, ou uma reunião de pessoas, também pode constituir ambiente.

Praça São Salvador
Praça São Salvador em Campos dos Goytacazes  nos dias atuais.
A realização da 6ª Bienal do Livro na Praça São Salvador abre espaço para algumas considerações.  Ocupa espaço de 10 mil metros quadrados da Praça, com 51 stands. A Praça, hoje, desprovida de qualquer peça decorativa (a contra gosto preservou a homenagem ao herói campista) e qualidade arquitetônica, praça reta, horizontal e sem graça, teve no passado seu momento de beleza. Uma praça perfeitamente adaptável para um pátio de automóveis, acolhe bienais e feiras populares mas expulsa o campista que deseja ocupar este espaço para nobres considerações.

A praça pública se encontra entre as várias partes de uma cidade que melhor  se presta a sugerir ambientes. Ela constitui um todo que convida o transeunte a parar e respirar um pouco, a descansar e   se entreter na consideração dos elementos que compõem o cenário e que a tornam bela. Habitualmente há mais esmero no adorno  das praças do que das ruas.
A Praça  São Salvador, na forma como fotografada na década de 60, parece exprimir bem esta mentalidade. Parecia convidar o transeunte a parar, a respirar um pouco, a descansar, e a se entreter na consideração dos elementos presentes no cenário.

Os edifícios desta praça servem de moldura à Catedral, (que não está presente na foto). Na Praça, a Catedral é figura central, pois o nome da Praça presta homenagem ao Padroeiro da Cidade. Na primeira fotografia as “peças” que servem de moldura à Catedral foram destruídas pela mentalidade reinante no século XXI.

Um comentário:

  1. Infelizmente a ganância que gerou o petróleo a a falta de conciência de um povo sem educaçao , acabaram décadas de história .E assim ,a gente vai perdendo a identidade.

    ResponderExcluir